Arquivo da categoria: POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

Poemas de DIVAGAÇÕES (2006)

ALGUNS POEMAS DO LIVRO DE ESTREIA DE DIEGO MENDES SOUSA

  • invenção

 

Foi no meu quarto

                         rodeado de livros

onde nasceu o primeiro

                              poema

               com todos os substratos

                                                      improfícuos

 

A sensação rompeu

                        meus neurônios

            rasgou os tímpanos

                                 porque as sinfonias

                                             não condiziam

com os sons agradáveis dos verdadeiros poetas

 

Oportunamente

                        travei as ideias

              concretas existentes no papel

 

Busquei o total abstrato

            ainda a voar pelo inconsciente

 

Assim fui degradando

              essas palavras

                                    esticando

                                    as informações

              pelas quais havia lutado

                          para então:

 

os momentos possuírem as ladeiras obscenas

 ===========

  • denso

                         referente ao Bolero ( Ravel)

 

A tarde

           reluz as horas

                                das poeiras mortas

                       do asmodeu ardente

                             que a tantos esmoreceu

 

Os livros resistem à guerra

O absurdo está a triunfar

 

Os relógios nem marcam mais o tempo

As obrigações desistiram perante ao cansaço

 

A brasa queima

                        mas a delgada areia

                                 registra as fagulhas

                                     transcendentes

                                   dessa tarde fúnebre

 

A chuva as espalha

 

                    Homens atrozes agora brigam

                                     A magia se desfaz

 

Celulose torna-se papel

A tinta com a qual escrevo

              enche de ilusões

 

a tarde, o asmodeu, os livros, os relógios,

as obrigações, a brasa, a areia, a chuva

e o papel

=========

  • vertigem

 

A poesia desinfetou as entranhas

                                                de

                                                meu

                                                estômago

 

agora vomito como

                               restos sólidos

depois catarei essa

                                  e

                                  aquela

                                              palavra

 

impulsarei na sintaxe

                       o de sobra

              voltará à vertigem digestiva

 

 

 =============

  • sonho no papel

 

Sobre o papel branco

                       a tinta azul ou preta ou vermelha

                       ou…

                         borra

                          sua

                             virgindade

 

Certamente

       os rabiscos escolhem a magia

 

       sendo os riscos

                    os latifundiários

                    treinados aos costumes

                             impuros do poeta

 

Então a poesia surge

                          elimina as palavras não pensadas

                          e os segredos burlescos

  essenciais à construção do poema

 

Ironicamente a veia

                       que se diz ser do

                                     poeta não é

                       mais do que

                                                sintaxe linguística  

 

 ==============

 

  • reflexão

 

Eu…

 

Embora refletisse que a vida continuaria

 

Vi meus marcos mortais

                minha infância

                minha juventude

                minha fogosidade

 

Em meio a essa viagem fui interrompido

 

Retornando a ela

 

Senti um arrepio

                 que pela primeira vez

                        me vi poeta

 

 ==============

 

  • canção enlouquecida

 

O olhar do poeta perturbado

A fala do poeta perturbado

Os pensamentos do poeta perturbado

 

Perturbado é apenas o que escrevo

 

O olhar perturbado do poeta

A fala perturbada do poeta

Os pensamentos perturbados do poeta

 

Perturbado é o que não escrevo

 

 ==============

  • indagações

 

Nada

        anda…

 

nada

       se

     nas ondas

 

O sal e as algas que me prendem

são ultramarinos

 

                   nada

                            n’água!

 

Os peixes e as conchas que me perseguem

O mar e os rios que me alagam

O horizonte e a vida que me cegam

 

                    nada

                             anda

 

Tudo nada e anda sobre as ondas?

ou

Tudo é sombra?

 

 ==============

  • crepúsculo

                     para Silvana Mendes

 

Ainda lembro

                       quando  o ônibus

                                                    Parnaíba- Rio

                       partiu

                               levando-te para longe

 

E o masseter de meu rosto

juntou-se às lágrimas da mesma face

acompanhando o movimento das mãos

                dilaceradas pelo sistema nervoso

 

como se fosse derradeiro

             a encoadura dos sentimentos qualificadores

                                                          da existência

 

Depois voltaste

                         dando continuidade

à única objetivação de mundo:

 

                                              o sol-posto

 

 ===============

  • chamado

 

De um desejo

                      o impulso das constelações

 

O brilho de Vênus

                               desfez

                                         a crise da taciturna noite

 

 

A poeira das galáxias castigou o conluio mais

vulgar

 

A morte silenciou

 

Sucederam-se as vozes que detrás do caminho

ousam perante a consciência

calar as mais perturbadas intenções

 ===============

  • fases

 

Há tempos

            (o próprio tempo marca a pele e a

memória)

                              cujos espaços

              tramitados pelo ser

                                  recaem

                      em meio-relevos

                                        que estavam fora

                                                      de seus domínios

                      porém

                                 muito próximos das traições

                                 perto das orgias

                      e mistificados em lúxurias

                           e bulhas

                                e chulas

                                     e chulos

 

Esse meio-relevo é o amor

                   o amor do agora

o amor ético

                   o amor…

           …sem restrições

                     sem secura

                             com loucuras

 

Se – de fato – o Amor existe

é puro ou tempo

 

 =============

 

  • recantos da cidade

 

Ando,

           entre ruas,     

estouvado

                 na propícia lama

                     dos solados

 

Lama de maitaca de aves

 

De formigas lúricas

                          clarividentes

                 na matéria ancilar

                                  do terreno

 

Rosal de sombras

                                 do comércio

                  de passos soezes

                                                de gente

 

Turbilhão

              súcubo

de detrás de tendências requietas

                      nos bêbados atravincados

 

Tão comuns

                     como favelas e mendigos

        no perímetro urbano

 

Tão comum

                     como a poesia

         penhorante

Poema: caruma da vida

    

 ============

  • sermão

 

Uma pedra

(en)quando(to)                 

encravilhada

numa estrutura

crua

 

alardeia emblemas

cancerígenos

 

de gravames

aurívoros ou

 

deformes

no latejo

recatado

de filosofar

                 [na

arqueologia

endoada

da circunferência

sideral e

 

víperas

das fezes]

 

de defluência

denegrida

nos aerobatas

venusianos

 

 

=========

  • entre mortos

 

Quanto da arquitetura

                    de esqueleto

                         de tuas formas

                    perdeste

                                  em passeios

                                          nos jardins

                                                   de cemitérios

                    (reduto corvino

                                recurvado nas corolas)

                                                   traduzindo

                                       estigmas

                                                     de felicidade

                                              da vida

                                                          de mortos

                                                      que choravam

                               e sorriam como nós

                   inclusive

                                  sossegavam conosco

                            durante

                                        os enterros serais

 

Se a escuridão,

                       sob a terra

                                       de desprezo,

                                os consomem

                      o presente de um morto

            consiste na filustria

                                           de ressuscitar

                                    ou

                             compartilhar

         com o lamento

                       da linguagem do dia

 

 ===============

  • manhã

 

É anedota

            a insolvência

      podre

                na manhã

      amarela

                  da uva roxa

 

(onde o ar chuvoso

            é omissão

                        e abissal)

 

                 sem qualquer

                                 alquimia

           dissolve

                    a cortina pérsia

                  do

                       sonhador azul

                               de bom tempo

 

 

=============

  • reflexo

 

A lâmina

           decepa

       o espaço

 

                         sincrético

                      aos pés

                                 de pontuação

                                       quarenta e quatro

 

Hidras

 

             não suficiente

       se alastram

                       nos ladrilhos

                 na usina

                             no piso

                        aos passos

 

                             sem mecânica

 

Hidras

 

              afogadas

                        no universo

              vertiginoso

                                das vísceras

                             feito

                                     lauda

                                                 ou escultura

                                                           à caravaggio

                                                           incendiando

                                                   o rosto

                                                             de fuligem

 

Este rosto

           malcomido

     pelo fogo

 

Este rosto

        fenômeno

                         físico

                       de riso

                               que explode

                       e pode, pede

                 para ferir

 

 

 ===========

  • imparcial

 

Há por dentro da terra

               por dentro

          da coisa do mar

 

 

          não duvides

 

      sábios

                subáqueos

        com prontuários

                        grelhando

                  teu tempo carnal

 

 

em intervalos

           de delitos cruéis

 

ocres pós-sonhos

 

 

       ainda dormes

 

 

Depois

         o verão

      clandestino

                         move-se

                   levando rastros

                                     dos sonhos

 

dos teus sonhos

        e

          não percebes

       a estrutura

                    messiânica disso

     

==========

  • definição

 

Ninguém

             invade

          os delíquios de paixão

 

                                  sem ter

                              algo deprimido

 

                                  sem haver

                                           um coração

 

Paixão é equívoco

 

                                           uma alma

 

Paixão é legado

               uma navalha

                       rédea

               de sua própria natureza

 

 

Paixão emerge

             do absorto

                            amor

 

             vem como mistral

                              e devasta

 

Paixão é castigo

            do absoluto

                            amor

sofre

            e é trelosa

 

 =============

  • efusão atávica

 

Do cadáver

               inoxidável

           desentoa

                a hecatombe

           ardilosa

                          efusiva

                passenta

                           e atávica

 

                     De osfresia

               coralina

                           da maçã

                      cicuta

                              de serpentes

 

                                      inventivas da púrpura

 

moribunda da múmia

                                  no

                                      Egito

                                              ástreo

 

malquistado

              na pele

       passada da gênese

 

já eletriz

          da renascença

 

 

        

 

1 comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA, Uncategorized

POESIAS DE FOGO DE ALABASTRO

  • Labirinto

 

Sonhava

o tigre e suas garras

a pintura vibrante

nos olhos e nos seios

 

foram devagar se constelando

as rosas e as confidências

e os testamentos e os passos

e a matéria e os cachos

as uvas intangíveis

a redoma do amante

a brotação do ouro

essência e ventura

o que dizer?

amarga e fere

sozinha a própria dor casta

 ============

 

  • Narciso

 

É singular o nome da fêmea

o poeta e seu único tema

lema bandeira

astro de voo e primavera

luz de fato fuga e insônia

santa é a lembrança

da memória nunca

desdobrada

sobre o teu aro

efervescente

e sabedor das auroras

teu nome é Altair

e tigre é teu país

verbena de sorriso

retrato e torrente

Meu nome é duplo ego

variação de poeta deus

personalidade profeta

e silêncio: Diego

 

 ================

  • Margem

 

Identifico-te Altair

e teu prenúncio é Helena

invento de uma alegria e cálice

queijo uva linho vinho azeite

a noite e suas voragens

o céu o deglute as legendas

Altair: país de tigres: Eros

degrau de espetáculo e herança

de um mundo verde

estésico

 

não é grega a tua escritura

é quente a tua roupagem: romana

 

 =============

  • Visita

 

Trafega o susto da morte

a imagem da orfandade

 

não te esquecem

o espelho

a pérola verde:

arcabouço mudo

 

ah, o belo

arma do etéreo

que crava o medo

 

ó, o eterno

Diônisos! Diônisos!

 

Ser tantos

não ser eu

Ser todos

não ser nenhum

 

A vinha a mendiga o amor

 ==============

 

  • Dois navegantes nas estrelas

 

nasceu uma rosa

no meu campo de música

 

será um anjo?      

mais um anjo!

 

nem Rilke

nem eu

 

=================

 

  • Oferenda

 

Deserdado da fúria

Zeus ornou de flores

a mina escondida da loucura

e Diego sereno e íntimo

               – será poeta profeta iluminado êxtase?

vibra o teu veludo invencível

 

Altair é teu nome e é teu presságio

vasto salão de ouro e escarlate

som do hino e música dos pássaros

 

 

 ===================

 

  • Eco do faro

 

Bebo o cântico do mundo

e flutuo no encosto de linho

onde o amor é rei

e perfume: jasmim

 

longos são os braços de carinho

doce o relógio do coração em cio

Diônisos:

a fêmea é vinho para mim

que falo de falo de vulva de seios

poesia pureza cheiro de sexo

tudo

no eco do faro

 ===========


  • Fugaz

 

O cheiro o quarto

a chama ametista

dos olhos

sombra de muitos

vultos deslumbrados

o afago e o mel

                      da fêmea

contemplados

 

vários ventos

de amor

embarcados

para o delírio

viagem e partida

eternidade

================

  • Remoinho

 

Losango, lábios

poliglota língua: rosa

itinerário do desejo

gravidez de gravidade e limiar

de esporas e farois na carne

veneno fértil e mantra

açúcar amargo e duro

mais que a consciência

que o amor é ferrão

sentido e complexo

girassol de hastes negras

ruínas caracol de tantas faces

instrumento do êxtase:

delícia primor

tarda o suicídio contigo

==================

  • FEMINILIDADE

 

Divindade

colibri alteroso

gineceu e abelha – viço

céu alegoria seminua

alvo resoluto de aparição

 

 POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

2.

 

No cemitério da Recoleta,

o poeta é um aedo da morte

e impressiona-me

o giro das navalhas

 

é como uma ronda que invade

minhas manhãs minhas tardes minhas noites

e minhas madrugadas insolentes

os sonhos imemoriais os pesadelos

o fôlego da hora azul e afeita ao adeus

 

Ah, castelo maior que é o amor

(e belo e vívido e luzente)

demonstra-me o que é Evita  

nos feitiços da canção de sibilia

 

que eu desmorono aliviado

diante da muralha elegíaca

 

No cemitério da Recoleta,

não há profecia sem morte

sem amor

não há morte sem amor

 

enlace antigo

de amor e morte

que na profecia

se ilumina

 

 

Pássaros e cores de morte e amor

espinhos na vereda ilusória

ar de solitude

 

 

e revoada

de neve  

triste

 

No cemitério da Recoleta,

vaticina o poeta imorredouro

com seus tormentos com seu sangue

com suas descobertas ligeiras

com seus pesares de vida

e uma flor de lampejo

 

No cemitério da Recoleta,

como uma parabólica,

o agito que vem da morada

dos mortos

é frio e místico

 

 

3.

 

Vem Rio de la Plata

desabar tuas águas

reminiscentes

no canto que cantei

 

que o sol do amanhecer

revigora os meus alentos

de poesia, vem!

 

4.

 

Passou por mim

o extraordinário

cavalo

 

Desprendeu-se

relampejando

do céu

que ligeiro se apagou

 

Perdi-o nas prisões

vívidas

que amansam

os tempos

 

Suave como os astros

eu poderia segui-lo

mas não quero

 

Olho repreendido

para os castelos

nebulosos do amor

 

Saltam lanças

que saqueiam

as raízes

de meu ardente

coração em mágoa

 

Voar como os pássaros

tão alto no infinito

é evocar os horizontes

 

Correr com o cavalo

tão cheio de si no campo

é a prova do eterno:

a ambição do meu sonho

 

Cavalgo…

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

POESIAS DE DIEGO MENDES SOUSA

Evoco-te, Figo Maduro, para não morrer na saudade imensa

 

                                                            Para Altair

                     

Alabastrino raio

que principia

a lírica instância

da Roma

 

E acenou aos deuses

a fúria da brancura

 

Pele de jasmim

fêmea atracada

no porto incendiário

entre a ternura e o afago

 

Alamanda

Figo e Jabuticaba

Estrela altíssima

que com os olhos

escalou as vinhas

da eternidade

 

Pupila de Farol

 verde verde verde

que alanceia

a falsidade apunhalada

 

Fogo de Alabastro

que abrasou

a doçura do arrepio

 

Festa do Delírio

que calou

o aroma imaginário

 

Melaço de Jabuticaba

Pedra verde verde verde

Pétala de Ametista!

 

Rosa e Tempo

entre as ancas

 

Tigre Vermelho

arrulhou o sexo

na corrente amorosa

da serpente

 

 

Evoco-te,

Figo Maduro,

para não morrer

na saudade imensa

 

Teu urso

contempla

a cintura

a tessitura

dos quadris…

 

Ó amada

estrela mais que alta

figo

melaço de jabuticaba

 

Boca

que consome o sonho

na andança dos suspiros

e gemidos

 

o pecado

a luxúria

e os budas

 

compasso

na alvorada

 

Maçã galanteada

nas brumas do coração

 

Ardência de Veneno

que devastou

a solidão

eremita

e fulminante

na alma

do teu cantor

 

Digo:

as estrelas

do mar infinito

que carrego na arca da paixão

e levando o medo

 

a sublime realidade

revelou

 

a guarita partida

a cigana febre

da vida

apontando

para a uva

a curva azul

do pássaro suicida

 

Alta noite

rubi na claridade

dos passos

 

navego

sobre teu corpo

com a vibrante

sonata do amante

que no fundo

do desespero

embarcou

na sensibilidade

e amou e amou

 

e mais que amar demais

jogou as taças

no espaço do desejo

e os encantos foram mais:

vislumbre deslumbre

Amor sempre Amor

a canção do abraço fundido

 

 

…………………………………………………………………..

 

 

Ator Francês,

 

Sou a Musa e o sopro do destino

Meus olhos verdes são a revelação da alvorada

Sou teu Figo Maduro

Tua alma

a cabala do sonho e da eternidade

Um Tigre vermelho

Uma Rosa: primavera

Amo-te muito e espero-te

Para o encanto: a vida

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

POESIAS DE DIEGO MENDES SOUSA

Sêmen de Incêndio

 

na solidão mora o amor e o amor

faz-se outono quando apenas amamos.

consola-me  amar.

amar é procurar é perder é morrer.

todos amam e amar, é chorar: amar é minha primavera de boêmio é minha cabala é minha máscara.

amar em todas as noites só por amar.

amar eternamente amar, eu amaria a primeira mulher, sem medida, se amar fosse

somente carne, mas amar, amar mesmo, é desespero.

é verdade, também, que amar é clarividente no beijo, no sexo, no gozo e, além disso, amar é salivar assim como se consome a laranja, a manga, a ameixa, o figo: a mulher.

é lamber o mel na boca.

os limões são azedos e a mulher: doçura.

amar não é viver azul é sofrer azul e, às vezes, amargar em branco.

amar é provar a poesia dos dias, o engano do tempo.

amar é voar sob o céu sob a tempestade sob o manto de luz das estrelas e

cair, cair, cair, cair…

e ressuscitar na derradeira brisa.

não há pecado em amar,

amar é amar e é tudo e é nada.

e se nada é tudo, o tudo é sempre.

sempre é amar e amar é fugir.

estou perdido entre indagações, confesso.

um sopro disse-me que amar é vento.

o vento é plumbaginoso.

o amor: música: vida.

aqui, volto ao outono.

será o amor regresso ou escarlatim ou devaneio?

muitos se suicidam outros esquecem.

outros se calam e pesam.

Amar é fogo e o Amor: incêndio.

 

 ————————————————————-

 

A Insônia Sartreana

                                                        Para Carlos Said

 

Carrego uma espoleta no coração

e um corpo que me firma

como um peregrino

cruelmente vou descendo

o atalho confuso:

o abismo

Aonde

todos os solitários

caminham?

e desenevoando a profusão

do oceano

do claro meditar

das constelações

enlaço minha triste

entonação de vida

meu tema de sangue

minha bruma de pensamento

que é meu fantasma de advertência

e a escuridão de meus olhos

e o peso de minha mitologia humana

os dinossauros do segredo

e o castigo fatalista do enredo

e o desabrochar do Amor

da inquietação do soturno medo

Será que existir

é nausear?

———————————————-


Os Incônditos do Encanto

 

 

1.

que expressão

constitui o sumo

das paragens bêbadas?

 

 

                               que a visão ofusca

                                    que o paladar não sente gosto

porém tem sabor de confissão?

 

 

 

 

 

2.

sonhos tantos de beleza

dia claro de miragens

e delírios

em leve tom de escuridão

n’alma inebriada de dores

 

bela tarde de mistérios

eco luminoso de segredos

na força ramosa do amor

 

 

 

3.

Sabes

 

que o riso do gozo

o sorriso festivo

acabou

 

entrega-te

ao presente altipotente

 

engole o soluço

e desaba

 

desaba

 

que a vida é um desastre

estrondoso

de instantaneidade

 

 

4.

Roubo-te

 

a farsa de asteróides

sob este céu iluminado

 

dês minha vida

tornou-se um fosso

encantado

 

perco-me

 

na cambaleante tormenta

e não foi a minha intenção

persuadir a ti

 

que a vida é um poço

encharcado de emoções

correntes

 

 

 

5.

sorrateira

 

 

                  a cintilar prateada

              a lua anseia

 

                                noturna na primavera

 

 

                                             leve pensantiva

                                                   edifica-se

 

                                                   pela janela

 

a noite morre

                 em meus olhos de menino

 

 

                 coração arrependido

                     resiste consentido da sina

 

 

 

 

 

6.

Em meio de tantas

conversas confissões confusões

 

Em mais uma balbúrdia

 

Os irmãos em volta da mesa para o jantar

 

O mais velho indaga:

 

que faríamos se papai falecesse?

eu me suicidaria

                                (responde um deles)

 

Entanto o benjamim sem exitar

Flegmático replica:

 

procuraria outro pai

 ————————————————————–

 

Elegia de Égide

 

Fundo das coisas que me são fortes

como a palavra límpida

que me abisma no abismo do fado

E move-me ao teu sonho

a tua velocíssima vida

a teu carnaval em serpentinas

 

Traze querida toda a prontidão azul

de teu temperamento íntimo

E vem a relampejar

tuas farpas tuas fagulhas

claras

amarelas e claras

que me embevecem

 

E ao mesmo tempo

na prata agulha

em sulcos de poeira

fulminam-me

 

Leva-me

além das alamedas

ao céu de maravilhas

E tece teu sorriso

colorido em minhas horas

pálidas

 

 

Vou perder-me em vento

E cantar aos pássaros

em todas as manhãs

 

Estou no século vinte e um

Faltar-me-á’gua e

Arruina-se o planeta

 

E perplexo meu coração

inebria-se

 

Adiante existem pavores…

 

Ai parábola maior

                         E universal

tão assassina quanto

a fima da velhice nefasta

E menor que a negaça

da morte:

 

o terror secreto da consciência

e o silêncio bravo da alma profunda

e a certeza de que a vida:

é uma obra

e a arte: generosa

 

Ai torpor maior

                    E continental

 

Bem grande é o amor

e mais triste a solidão

 

e vivório insiro-me no tempo:

 

O júbilo confluente da infância

E o pulsar da derradeira debilidade

 

Ai torpor da bela poesia

 

Ai choro da lastimosa maturidade

Ao escrever a dor traiçoeira

 

Nous nous regarderons

Et nous nous sourirons

Et la main dans la main

Par les rues nous irons

 

Ai feitiço dos olhos gélidos

 

Adeus…

 

Digo simplesmente adeus

à supremacia do mundo

manente

 

Mais um ai…

 

Sim

 

Enquanto ouço o vento

Da morada ardosa

de teu templo

a morte surge para me arrastar

a uma taberna azulada

 

Fico contente

Vejo transformarem

para meu desespero

tudo que toca

ao coração vulnerável

 

Chego a pedir mesmo

que me busque

 

O que me conforta

neste ínterim

 

É mesmo a doce

sonoridade das canções

desventuradas

de Maysa

                  deprimida

qual a minha alma…

 

Ah, solita

Tu não tens

a amabilidade

da vida

tampouco o renrém que são os dias rixentos…

 

Imergida

na desordem

hemeropata

de meu sonho: brume

 

Transgredida

na neurose

conflituosa

da paranóia

 

 Profetizas assombrações

 

Canção vestida de palhaço

Riso maroto no teu rosto

 

Estás sentada no divã

sorrindo

eviternamente

 

Quanto a mim…

 

 

Restam-me o murmúrio

e a madrugada: a rosa

 ———————————————–

 

Serenata aos Iludidos

 

Amor não me deixa sofrer…

 

Existem dias

que o coração

se parte

se deprime

se afoga

e dói até na alma

que se aperta

que se lastima

que se destrói

e depois do canto

nada mais resta

nem a força do encanto

que a vida explica

que o sonho baila

que o tempo mata

 

Amor não me deixa azul

que a pele sai a suar

que a boca inicia o soar

da canção dos pequenos

desventurados

 

Amor não me deixa morrer

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

ALGUMA POESIA DE DIEGO MENDES SOUSA

Sobras do Crepúsculo

 

 

Será sempre teu encosto

meu peito

e o coração clama em ânsias

e pranto

e repugna-me ao calor

de longos beijos

 

durante os dias e as noites

infinitas

imensas aos olhos do sonho

 

Como voltar na bruma?

se a mulher é pluma

no consumo atemporal

da aurora

 

durante os dias e as noites

infinitas

imensas aos olhos do mundo

 

(Metafísica do Encanto, 2008)

 

 —————————————————

Profuso

 

A vida está oculta

num manancial em flor

ou perdida

gloriosamente

na escuridão d’alma

é bonita

senão também grilhão

é fingimento

observatório em desafio

e não é onirismo do destino

é tempo deglutido em demasia

 

oh vida indecifrável

oh vida incrédula

aos sonhos de liberdade

uma rosa alemã abisma-te

 

nessa profecia reconvalescida

nesta tarde crepuscular

meu canto desdito

encerro

sob o celeste azul

 

(Metafísica do Encanto, 2008)

 

 

 

 ———————————————————-

 

Candelabro

 

Dói-me o peito

Queima-me a alma

                                    esta solidão reclusa

 

Não por querer viver

                 Nesta orla-névoa

         albicante como meu rosto

 

Se por medo da morte

 

Se por medo da perda

desta vida sob velas

 

Uma noite…

 

…Não serei solidão

 

Não serei solidão

                                 quando o candelabro

                                                for sereno

                                                                  ao apagar-se

 

 

(Divagações, 2006)

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA

A POESIA DE DIEGO MENDES SOUSA

Frisson à Rilke

Que o Tempo não refute nunca
o rastilho prisioneiro e perplexo
do Amor
pois o sangue- motor da vida- pulsa
rarefeito
no apelo escondido dos Astros
a debilitar o indispor do mundo
que arrasta o azul sobre o branco:
          o ar puro da felicidade 

Somente o Amor filtra a ofensiva
da amargura em qualquer coração
e derrama o inusitado sobre o rosto
        a orvalhar a eviternidade
e apreender o martírio de tédio
que deslumbra
a existência sufocante
em recatos de sabedoria enevoada
———————————–

O Clarão da Existência

Como enramar-me de felicidade
se o campo, a flor, o riso…
e o descontentamento
e a sombra do tempo
e as estrelas se assomam
sob o canto e o silêncio
sobre a vida
e a renúncia
sobre uma pluma
em relâmpagos
a luz

existir em tua ausência
na morada da minh’alma
exânime

Ai bárbaro destino
como mondar a tristeza

que me perece e me amarga
tanto…
            como?

Deixe um comentário

Arquivado em POEMAS DE DIEGO MENDES SOUSA